Menas burriçe?
O Globo
Jornal do Brasil
Digestivo Cultural
Comunique-se
Mídia Sem Máscara
Observatório da Imprensa


Música
Zona Punk
Rogério Skylab
Punkoteca


Um monte de coisas
Millôr
Fotologue?!?
Twitter
Orkut?!
Falha Nossa
Porta Curtas
Curta o Curta
Literatura Online
Biblioteca virtual



Visto por aí...




Compro ouro, tíque e vale transporte
Tratar com Madruga:
madruga666@hotmail.com


Arquivo morto do Blogger


Arquivo morto do Blig


É... o tempo passa...
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Dezembro 2005
Fevereiro 2006
Maio 2006
Setembro 2006
Novembro 2006
Fevereiro 2008
Abril 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Fevereiro 2010


Site 
Meter







Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

terça-feira, junho 30, 2009

# Segue aí um artigo que escrevi sobre cotas em faculdades e foi publicado no Globo Online. Acho que se eu começar a escrever "massivo", "vítimas fatais" e que tais tenho chance de escrever lá mais vezes...


"Em meio a discussão sobre cotas nas universidades, em que pesam as dúvidas de como será verificada a raça do candidato, se pardo também tem direito, se esse "benefício" é estendido aos descendentes de negros (recentemente uma aluna perdeu direito à vaga pois, conforme verificou-se depois, "não era negra suficiente"), qual será a porcentagem de vagas, se é uma reparação de erro histórico ou de sofrimento, enfim, há um fato que, se não é levado em consideração, pelo menos está sendo ignorado neste debate.

O vestibular é um método racista?

Que há mais brancos do que negros nas universidades é fato. Nem é preciso de pesquisas, basta visitar qualquer faculdade do país para se comprovar isso.
Quanto a haver mais ou menos pardos, aí já é mais difícil, afinal, quem é pardo no país? Aliás, qual o critério para sê-lo? Talvez a comissão da Universidade de Brasília (UnB), aquela que pode dizer - apenas dando uma olhadinha em uma foto - se fulano é negro, pardo ou mameluco, tenha esta resposta. Pois bem, o fato incontestável é que, levando-se em consideração o tamanho da população negra do país, esta está ridiculamente representada nos bancos de ensino superior.

Mas, diferente dos Estados Unidos, de onde surgiu a inspiração para essa política de cotas, o sistema de ingresso nas faculdades brasileiras é apenas objetivo. Faz-se uma prova, apenas isso.
Não há estudos de currículo, entrevistas ou quaisquer outros meios que possam levar em conta algum critério subjetivo. Portanto, se algum candidato não passa no vestibular, isso não decorre, em hipótese alguma, do fato de ser negro, índio ou mulato. Desta forma, se a cor da pele não é de maneira alguma critério - seja implícito ou explícito - para ingresso nas universidades, qual a lógica de se criarem cotas que visam justamente atender candidatos a partir de sua etnia?

Qualquer olhar, seja ele raso ou profundo, enxerga que no caso específico dos vestibulares, aqueles que estão em desvantagem são os que não tiveram condições de se preparar para as provas; não só às vésperas do exame, mas durante toda a vida. Os motivos? Ora, a qualidade do nosso ensino público que, de tão baixa, cria a enorme vantagem àqueles que estudam em escolas particulares. E os que estudam em boas escolas, lá estão por quê? Somente porque são brancos? Certamente não. Quem estuda em boas escolas é porque pode pagar por isso.
Portanto, o cerne da questão não está na cor da pele: está na pobreza, que não dá outra opção à maioria de nossa população senão ter que estudar em colégios gratuitos e com níveis muitas vezes pífios de ensino. O racismo, neste caso, passa à quilômetros do vestibular.

Se a questão é facilitar o ingresso nas universidades, por que não dar espaço à "cota social", onde parte das vagas seja destinada a candidatos comprovadamente oriundos de escolas públicas e/ou de baixa renda? Neste modelo seriam contemplados todos aqueles que não tiveram acesso a um ensino que os possibilitasse chegar às universidades em pé de igualdade com os demais. E isso, certamente, incluiria todos os brasileiros, independente da cor da pele."

Resmungado por Madruga

domingo, junho 07, 2009

# De tanto reclamarem dos erros dos estagiários do Globo Online, acabaram contratando jornalistas da Alemanha:




# Ah, sim, para a Camila, que comentou no post anterior... meu Orkut tá ali no lado esquerdo... e o msn embaixo da última camisa!

Resmungado por Madruga