Menas burriçe?
O Globo
Jornal do Brasil
Digestivo Cultural
Comunique-se
Mídia Sem Máscara
Observatório da Imprensa


Música
Zona Punk
Rogério Skylab
Punkoteca


Um monte de coisas
Millôr
Fotologue?!?
Twitter
Orkut?!
Falha Nossa
Porta Curtas
Curta o Curta
Literatura Online
Biblioteca virtual



Visto por aí...




Compro ouro, tíque e vale transporte
Tratar com Madruga:
madruga666@hotmail.com


Arquivo morto do Blogger


Arquivo morto do Blig


É... o tempo passa...
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Dezembro 2005
Fevereiro 2006
Maio 2006
Setembro 2006
Novembro 2006
Fevereiro 2008
Abril 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Fevereiro 2010


Site 
Meter







Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

quarta-feira, abril 23, 2008

# Não sei desde quando, mas parece que as favelas finalmente - e oficialmente - deixaram de existir. Pelo menos aqui no Rio. Se não dá pra acabar com elas fisicamente (pintando de verde pra parecer, de longe, uma bela área reflorestada ou tacando fogo, como gostariam alguns), pelo menos que mude o nome! Pois é, aqui no Rio qualquer favela agora se chama comunidade. Não importa se na entrada está escrito "Bem-vindos à favela do Arará" ou que tais. Não interessa! É comunidade e acabou!
Quando um repórter fala "favela", percebe-se logo em seguida a sua vergonha, como se tivesse cuspido na cara de alguém.
Esse PAC, por exemplo. Há uma placa gigante na entrada da Rocinha com o título de "PAC - Complexo da Rocinha". Ora, "complexo" é um termo que se usa quando há um monte de favelas que, juntas - oh, que supresa! - formam um complexo. Como "Complexo do Alemão", que tem mais de sei lá quantas favelas na localidade. Ah, esse politicamente correto maldito!


# "Ah, mas 'favela' e 'favelado' são termos muito depreciativos" dirão alguns. Ok. E quem garante que daqui a sei lá quanto tempo o termo "comunidade" também não será?? Então a culpa não é do local em si, e sim da palavra? Francamente!



# Dia desses, antes de subir no ônibus (410), uma velhota (sempre elas) pergunta aos berros ao motorista:

- Passa em Botafogo?!??
- Sim, senhora, passa.

Menos de 10 segundos depois:

- Em Botafogo, passa?!??!
- Passa sim, já disse que sim!!

E então adentra o coletivo a provecta senhora e se senta no meio do ônibus. Mal passaram 5 minutos de viagem, a velha berra pro motorista:

- Esse ônibus tá indo pra onde??? Vai pra Botafogo?!!?
- Vai sim!!! Já disse 2 vezes antes da senhora subir que vai pra Botafogo!
- Ah, bom! Porque é pra lá mesmo que eu quero ir, pra Botafogo!! Tá indo pra lá?!!?



# Continuam as buscas por padre voador (e agora mergulhador)

Pois é, ainda continuam as buscas pelo padre que teve a esdrúxula idéia de sair voando agarrado a um monte de balões de aniversário. Mesmo diante de todos os indícios que ia dar errado, o padre, que tinha nenhuma experiência nesse tipo de bizarrice (só um vôo teste em janeiro) e já tinha sido expulso de um curso de vôo livre, insistiu e subiu pros céus diante do aplauso de dezenas de cúmplices que o ajudaram a encher os balões.
Segundo uma mulher que esqueci o nome, pertencente à Pastoral do Rodoviário, "isso nao foi nenhuma loucura, ele é arrojado". E burro, porque só depois de estar a uns 20km no meio do mar ele resolveu ligar pra perguntar como se usava o GPS. Ah, e nao adiantaria alguém explicar, porque a bateria do celular estava acabando e ele nao levou uma reserva!
Se a idéia dele era ir ao encontro de Deus, o máximo (ou mínimo, sabe-se lá) que conseguiu foi visitar Iemanjá.


# Cada vez mais eu acho que as propagandas de cerveja estão beirando o ridículo. Tá, tá, tá, tem um monte de mulher gostosa, mas as idéias em si estão cada vez mais estapafúrdias. Essa última da Antarctica, então, em que o bar todo fica batendo na mesa ritmadamente (?) até cair a última gota de uma garrafa num copo... a cara de felicidade e a gritaria que fazem depois (especialmente de um dos figurantes!) chega a me dar vontade de quebrar uma garrafa na TV. Deve ser porque eu tô velho, enfim.



# Ainda sobre o padre lá de cima (ou de baixo, afinal já deve estar no fundo do mar), tem quem acredite que ele esteja vivo, em alguma ilha aguardando o resgate. Só se for a ilha de Lost!
E outra coisa, se ele ainda estiver vivo, certamente será por milagre. E, decerto, isso vai desmoralizar completamente a instituição "milagre"! Tanto canhão por aí afogando Santo Antônio pra arrumar marido, manco sonhando em dançar valsa, gente com voz horrível querendo voz de Roberto Carlos e etc, e Deus vai justamente mexer os pauzinhos pra ele? Só porque é padre? Ah, não, aí desmoraliza.


# Ainda bem que acabaram (ou pelo menos é o que parece) os atrasos e cancelamentos de vôos nos aeroportos do país. Não pelos passageiros e sim porque, com isso, terminam aquelas matérias na TV sobre atrasos nos vôos e que tais. Que chatice, era todo o dia a mesma coisa!! Tom indignado do repórter, pessoa na fila gritando, imagens mostrando gente dormindo no saguão. Todo dia! Se bobear, eram sempre as mesmas imagens!


# Última coisa sobre essa história do padre. Onde que essa esdruxulice de voar nesses balões é "esporte radical"?? Só mesmo no Brasil pra chamarem isso de esporte radical. Tá mais é pra esporte boçal, francamente.


# Frase do dia:
"O elogio deve ser feito logo, antes que a pessoa te dê motivos do contrário." (Millôr)

Resmungado por Madruga